Home Opiniaun Xanana Gusmao e Um Lider Transformador, Carismatico, Visionario e Inspirador

Xanana Gusmao e Um Lider Transformador, Carismatico, Visionario e Inspirador

676
0
SHARE
Xanana Gusmao e Um Lider Transformador, Carismatico, Visionario e Inspirador

Caption: Benvindo Domingos José Guterres, Estudante do Curso de Relações Internacionais e Diplomacia. (Photo: Private Collection)

Em Timor-Leste e em outros países do mundo, a liderança desempenha um papel fulcral no processo de construção do país. Os países desenvolvidos como os EUA, Reino Unido, França, Rússia, China, Japão, Índia, etc., estão a ter um desenvolvimento cada vez mais acelerado e avançado devido a uma boa prestação dos seus governantes. O bom funcionamento destes Estados estão ligados ao estilo de uma liderança transformacional para o desenvolvimento da sua equipa, a sua comunicação inspiradora, a sua expectativa de desempenho e a valorização das atividades.

Segundo o autor Bernard M. Bass, a postura da liderança transformacional está em motivar aqueles que são liderados, permitindo que estes, não apenas executem tarefas, mas que as entendam dentro de uma perspetiva de importância e valor para a organização, e isso permite que a equipa trabalhe de acordo com objetivos comuns aos três componentes piramidais: organização, líder e liderados. Mas também, por outro lado, podemos definir como um processo, cujo fator principal é a capacidade de convencer os colaboradores, no entanto, este processo não é o sentido único, ou seja, tanto os líderes como os colaboradores interagem-se mutuamente. 

No caso de Timor-Leste, podemos constatar que existem vários líderes que são considerados como os principais atores transformadores, desde a consolidação da independência, assim como no processo de desenvolvimento do país. Estes são o Xanana Gusmão, José Ramos Horta, Taur Matan Ruak, Francisco Guterres (Lu Olo), Lere Anan Timor, Marí Alkatiri, e muitos outros.

Durante a luta da libertação, Xanana Gusmão foi um líder muito corajoso e eficaz. Como diz na sua palavra «ofereci-me para ir a guerra, para sentir «as lágrimas da fronteira» que viria inscritas no capacete de um soldado que voltará de lá…onde alguns camaradas seus tinham ficado…a honrar a Pátria!».

Nos primeiros anos de guerra, com o apoio ocidental, permitiu a Indonésia destruir todas as bases da resistência e, ao fim de três anos de guerra, eliminaram o líder máximo, Nicolau Lobato e a resistência quase que ficou totalmente destruída.

Já em 1981, a resistência renasceu das cinzas, sob a Liderança Xanana Gusmão, com uma nova estratégia, muito mais realista, aberta ao diálogo e a todos as patriotas, incluindo os que colaboravam com o inimigo. A arte de «conviver com o ocupante» e de «vestir a capa do inimigo» passou a ser uma componente essencial da estratégia da luta. Logo, em 9 de novembro de 1989, começou a ser derrubado o Muro de Berlim. Antecipando a esta viragem democrática, Xanana Gusmão tinha a sua longa ideologia rumo à democracia multipartidária e tinha apagado a infeliz designação marxista-leninista que tinha formalizado na Fretilin. Este percurso terá sido muito importante para que o Papa visitasse Timor-Leste. E a viragem ideológica, associada ao compromisso de construir no futuro uma democracia multipartidária em Timor-Leste, após a independência, facilitou imensa angariação de simpatias não só na igreja, mas também a nível mundial, sobretudo nos países ocidentais.

Ao ser preso, em 20 de Novembro de 1992, e ao colaborar com os caroceiros, o suficiente para ser julgado e não morto, Xanana levou a Resistência para o coração do inimigo, em Jakarta, onde se tornou inspiração e símbolo para a juventude indonésia, desejosa de liberdade.

Em 2001, Xanana Gusmão, candidatou-se a membro do Conselho Nacional, e foi eleito como o primeiro presidente de Timor-Leste. No seu primeiro ano de função, uma das principais preocupações era promover a reconciliação entre os timorenses, e este, promoveu e participou em diversos encontros com pessoas deportadas e com os membros das milícias e suas famílias, junto à fonteira. Um dos resultados desta política de boas vindas e de reconciliação foi o regresso, até aos finais de 2002, mais de 200.000 timorenses que em 1999 tinham sido deportados ou tinham fugido para a Indonésia.

Em 8 de Agosto de 2007, Xanana Gusmão tomou posse como Primeiro-Ministro do IV Governo Constitucional da Republica Democrática de Timor-Leste. Uma das prioridades do Governo foi o desenvolvimento económico, mediante uma forte aposta na agricultura, na revisão da lei de investimento, na definição do regime de propriedade, etc., e além destes, incluindo a reforma da gestão do Estado, a despartidarização e o combate de corrupção. 

Em janeiro de 2015, Xanana Gusmão anunciou que iria abandonar o seu cargo de Primeiro-Ministro. E em março do mesmo ano, assumiu o cargo de Ministro do Planeamento e Investimento Estratégico de Timor-Leste. Por fim, conseguiu levar o processo de negociação da fronteira marítima de Timor-Leste e Austrália de forma pacífica. Este tratado ocorreu a 6 de março de 2018, na Sede das Nações Unidas em Nova Iorque. O Tratado sobre Fronteiras Marítimas estabelece as primeiras fronteiras marítimas definitivas entre Timor-Leste e Austrália no Mar de Timor.

No mesmo ano, o Chefe da Equipa de Negociações de Timor-Leste, Kay Rala Xanana Gusmão, foi convidado a discursar perante o Fórum Mundial de Energia do Conselho do Atlântico, falando sobre “Diversificação Económica na Região, Melhores Práticas e Modelos de Negócio Sustentáveis: Lições aprendidas por Timor-Leste.” Este é o principal fórum internacional para governos, indústrias e líderes de pensamento definirem a agenda mundial de energia para o ano e procurarem antecipar e responder as mudanças no mundo da energia.

Com todos esses processos, podemos constatar, que Xanana Gusmão é um líder transformador que possuí capacidades enormes de influenciar seu povo e de transformar o país com sua energia e visão pessoal, ou seja, o líder que ajuda reciprocamente para alcançar um patamar mais elevado de moral e motivação. Em termos de competências como liderança transformacional, podemos categorizar Xanana Gusmão em três partes: primeiro, ele é um líder carismático, ou seja, é alguém que consegue despertar admiração, fascinação e, principalmente, consegue envolver as pessoas e conquistar a sua colaboração para realizar aquilo que foi proposto. Utilizava-se de uma comunicação clara e efetiva, o gestor de mudanças consegue a cooperação e o engajamento da sua equipa. Segundo, é um líder visionário, uma vez que consegue se antecipar a qualquer problema que possa ocorrer, solucionando-os antes que causem maiores danos. E por fim, é um líder inspirador, ou seja, seus exemplos, feitos e atitudes são fontes de inspiração para os profissionais sob sua gestão. Isso cria um ambiente equilibrado, em que os colaboradores têm um referencial positivo para seguir e um modelo em quem se espelhar. É importante ressaltar, que além de Xanana Gusmão ser capaz de ter ideias extraordinárias e aceitar grandes desafios, também, tem a capacidade de inspirar a sua equipa e de criar um ambiente que possibilita aos colaboradores evoluírem cada vez mais como profissionais. 

Assim, concluímos que Timor-Leste, sendo o país mais jovem do século XXI, tem uma prática de liderança considerada como a principal referência para os outros países no mundo.*


Autor: Benvindo Domingos José Guterres (Venilale, Baucau)
Estudante do Curso de Relações Internacionais e Diplomacia

Email: Guterresbenvindodj97@gmail.com